Aulão de Atualização do ProENEM – Reta Final

aulao-de-atualizacao

Aulão de Atualização ProENEM – Reta Final

O último aulão de atualização do PROENEM irá ao ar no dia 28 de setembro de 2019, no qual daremos uma super-revisão sobre Linguagens, humanas e redação. Isso mesmo, e o melhor: totalmente gratuito no Youtube.
Fique ligado, pois, nesta reta final, chegamos no momento principal para a sua aprovação, e você poderá ganhar prêmios e até receber a ligação dos professores do cursinho que você ama.
Fique ligado na programação:
Dia 28 de Setembro
08 horas – Sociologia com o professor Leandro Vieira;
09 horas – Língua Portuguesa com o professor José “JJ” Jorge;
10 horas – Filosofia com o professor Leandro Vieira;
11 horas – Geografia I com o professor Thiago Feitosa;
12 horas – Geografia II com o professor Leandro Almeida;
13 horas – Redação com o titio Rômulo Bolivar;
14 horas – Interpretação com o professor Felipe Moraes;
15 horas – Literatura com a professora Rebekka Menezes;
16 horas – História Geral com o professor Otto Barreto;
17 horas – História do Brasil com o professor Marcelo Lameirão;

Não sabe como funciona um aulão de atualização?

Nossos aulões ajudam milhares de alunos — são muitos os conteúdos preparados para você mandar bem na prova. E o melhor é isto: logo em seguida, você pode pôr à prova, em nossos simulados, aquilo que aprendeu.
Veja como foram os últimos aulões:

Simulado aberto – Gratuitamente na plataforma

Durante os dias 04 a 07 de outubro, nosso simulado estará aberto — sim, isso mesmo que você leu, você poderá fazer o simulado, enviar sua redação* e acompanhar de perto os seus resultados. Marque na agenda! Caso queira receber um aviso, clique no botão abaixo e seja avisado sobre o início do simulado.

* Somente alunos poderão enviar as redações.

Como estudar para FUVEST para passar em medicina na USP

Como passar em medicina para a USP?

Olá, amigo vestibulando! Você que está querendo se preparar para a FUVEST e alcançar a aprovação na USP para Medicina, precisa saber de algumas questões importantes para o seu sucesso.

Você sabia que para se preparar para o vestibular da FUVEST, a estratégia utilizada é bem diferente  da utilizada para se preparar para o ENEM? Ao se preparar para a FUVEST, automaticamente você se prepara para Medicina na UNESP e USP. Além disso, é muito importante que você saiba de ponta a ponta o edital desse vestibular.

Quais disciplinas estudar para a FUVEST

Quem busca uma vaga na USP, precisa focar nas seguintes disciplinas:

  • Redação               
  • Português               
  • Literatura                 
  • Química                
  • Física
  • Biologia

Focando nessas disciplinas, você garantirá cerca de 75% da pontuação total da prova. Esse percentual garante, inclusive, uma boa nota para a 1ª e 2ª fases.

peso-de-cada-materia-na-nota-final-da-fuvest

A primeira prova da FUVEST apresenta 90 questões de múltipla escolha que o candidato deve responder em até cinco horas de prova. As questões são divididas entre as disciplinas do Ensino Médio, sendo elas História, Geografia, Matemática, Física, Química, Biologia, Inglês, Português e Literatura. Além disso, assim como ENEM, apresenta questões interdisciplinares.

A edição de 2019 conta com 127.786 inscritos, incluindo os treineiros (alunos que não estão aptos ou não concluíram o segundo grau).

É importante ressaltar que o conteúdo da Fuvest é bem mais amplo que o do ENEM. Simplificando a informação, podemos esclarecer que a Fuvest cobra praticamente tudo que o candidato estudou durante o Ensino Médio.

Como calcular a nota da FUVEST?

A partir do exame da primeira fase, dá-se a nota de corte. Essa nota é calculada da seguinte maneira:

V → Número de vagas na carreira.

MC → Média da pontuação dos candidatos nesta carreira que não tiveram a prova anulada.

N → Número de convocados para a primeira fase.

K → Parâmetro definido pela regra específica.

Com a expressão N = K x V, é dado o número de candidatos para segunda fase. Convertendo a pontuação para a base decimal, será obtida a nota do candidato, para fins de cálculo na nota final.

Os candidatos que fizerem menos de 30% da prova estão automaticamente eliminados.

Com algumas mudanças já confirmadas para o ano de 2019, a segunda fase acontecerá em duas datas em janeiro, os dias 6 e 7. No dia primeiro dia, será aplicada a prova de português, com 10 questões, e uma redação. Já no segundo dia, serão 12 questões de peso igual. No caso de vestibular para Medicina, serão sobre quatro disciplinas.

Como iniciar sua redação

Olá, candidato ENEM! Hoje falaremos sobre um assunto muito importante, que sempre causa dúvidas: qual é a melhor forma de iniciarmos nossos textos? Existe algum modelo de introdução perfeito? Como iniciamos nosso texto de modo que o leitor goste dele? É claro, convém dizer, que uma boa introdução de seu texto não garante que ele será bom ou ruim, pois isso dependerá da maneira que você desenvolve sua argumentação e de outros fatores, como o domínio da norma padrão da língua e das referências a outras áreas do conhecimento, por exemplo. Leia nossas dicas com atenção para saber o que fazer e não fazer em suas redações e garantir uma boa nota.

Logicamente, a introdução é o primeiro parágrafo de qualquer dissertação. Portanto, pense, ao escrever, que na introdução você está ‘abrindo as portas’ do tema para seu leitor. Ache que ele não tenha opinião formada sobre o assunto, mudando isso a partir da leitura de seu texto. Desta forma, é importante que iniciemos nossas redações de uma maneira boa, para que conquistemos nosso leitor e façamos com que ele adira aos nossos pontos de vista. Logo, imagine que a introdução é uma espécie de ‘convite’.

Para escrever uma boa introdução, é necessário que você se entregue ao tema. Tente se concentrar o máximo que você puder, desligar-se do mundo exterior. Esse exercício mental contribui para que você encontre nas suas ‘gavetas mentais’, onde as suas informações prévias estão armazenadas, um ponto de partida. Claro que algumas delas serão abandonadas, enquanto outras serão escolhidas: o importante é se fixar na ideia que possa fazer o texto fluir. Parecerá um clichê, mas é verdade: precisamos ler bastante para sabermos do que falar e termos cada vez mais informações para guardarmos na mente. Quanto mais leitura realizarmos, mais argumentos teremos para sustentar os nossos pontos de vista.

A forma como a introdução é redigida, convém dizer, variará de acordo com o tema pedido. Caso este permita uma referência histórica ou se houver necessidade de promover uma contextualização sua no tempo e no espaço, é neste momento em que faremos isso. Destacamos como exemplo a proposta do ENEM em 2015: ‘A persistência da violência contra a mulher no Brasil’. A palavra ‘persistência’ faz o leitor acreditar que o problema se iniciou no tempo passado, perdurando até os dias de hoje. Assim, neste tema seria interessante propor uma contextualização na introdução. O mesmo pode ser dito sobre o tema de 2005: ‘O trabalho infantil na realidade brasileira’. Aqui, o candidato poderia expor o fato e situá-lo no Brasil contemporâneo. Lembre que cada palavra do tema serve como palavra-chave para o seu texto: se o tema contém palavras como ‘permanência’, ‘persistência’, ‘continuação’, entre outras, uma contextualização seria boa.

Bons exemplos

Veja os dois exemplos, tirados do ENEM: da aluna Amanda Carvalho Maia Castro e do aluno Marcus Vinícius Monteiro de Oliveira. Eles atingiram nota máxima em 2015 e 2017, respectivamente.

trecho_de_redacao

Trecho da redação da estudante Amanda Castro (adaptado) — Foto: Arquivo pessoal/ Reprodução.

(Fonte: https://g1.globo.com/educacao/noticia/leia-redacoes-do-enem-2015-que-tiraram-nota-maxima.ghtml)

trecho_de_redacao_2

Trecho da redação do estudante Marcus Vinícius Monteiro de Oliveira (adaptado) — Foto: Arquivo pessoal/ Reprodução.

(Fonte: https://g1.globo.com/educacao/noticia/leia-redacoes-nota-mil-do-enem-2017.ghtml)

Boaventura (1993) nos propõe quatro características que uma introdução deve ter para ser considerada boa:

  1. Fornecer a ideia geral do tema a ser transmitido;
  2. Situá-lo na história, na teoria, no espaço e no tempo, quando possível;
  3. Motivar o assunto para prender a atenção;
  4. Dar as ideias diretrizes e anunciar o projeto de texto.

Na redação da candidata, notamos o cumprimento de todos esses pontos. Ela mostra como a situação-problema se desenvolve: mortes causadas pela violência contra a mulher aumentaram mais de 200% entre 1980 e 2010. Essa exemplificação, bem sustentada e fundamentada, já chama a atenção do leitor devido à notoriedade do fato e os absurdos índices de sua ocorrência. Também há a indicação da direção que ela seguirá ao longo de seu texto, ao mencionar que a violência contra a mulher pode ser analisada por vieses históricos e ideológicos, sendo essas as ideias que direcionarão o texto e serão apresentadas ao leitor. Por último, a primeira frase do texto, ‘A violência contra a mulher no Brasil tem apresentado aumentos significativos nas últimas décadas’ ajuda a prender a atenção do leitor, uma vez que mostra que a situação é atual.

Já no texto de Marcus, também notamos uma certa contextualização, uma vez que ele remonta aos tempos do Brasil Império para situar o início da educação formal de surdos. Ele também prende nossa atenção por mencionar questões como o ‘apartheid educacional’, a estereotipamento por parte da sociedade e uma possível posição de passividade por parte dos agentes governamentais. Ao mencionar, por fim, que a educação aos deficientes auditivos será efetiva a partir da resolução dos entraves mencionados anteriormente, ele mostra ao leitor a que veio, revelando assim as suas intenções e a forma em que o texto será construído.

Tendo isso em consideração, agora pergunto a você, aluno PROENEM: lendo a introdução, você se sentiu instigado a ler os textos de Amanda e Marcus?

Dificuldades para fazer uma boa introdução

Há sempre uma dúvida quando redigimos nossa introdução: é melhor sugerir o tema da discussão ou despertar o interesse do nosso leitor? A resposta é: os dois são igualmente importantes. Como nossa preocupação é que você tenha um bom desempenho em provas e concursos, como o ENEM, não é recomendável priorizar um sobre o outro. Aqui vamos mostrar como você, aluno PROENEM, pode reunir essas duas metas num único texto, nos baseando em Martins (2004).

O professor nos mostra duas dificuldades na redação de uma boa introdução. Em primeiro lugar, não podemos achar que começamos uma redação adequadamente se não dominarmos o plano da redação, como o texto pode se desenvolver. Além disso, é muito importante mencionar que embora muitos alunos comecem seus textos por esse trecho, essa prática não é recomendável: como vamos mostrar as ideias que direcionaram nossa argumentação (vamos nos lembrar das características de Boaventura) se ainda não as explicitamos?

No que diz respeito à questão da atenção ao texto por parte da banca, deixe-me te perguntar uma coisa. Quantas vezes você deixou de ler algum livro só por não ter gostado do título ou da forma como ele começou? E com quantas pessoas você deixou de se relacionar porque teve uma primeira impressão negativa delas? Pode parecer bobo, mas com sua introdução, funciona da mesma forma! Se ela não conquistar, o seu leitor pode ter uma ideia negativa do seu texto, o que pode prejudicar a sua nota.

Para concluir, dicas para mandar bem na sua redação!

Seu texto deverá ser construído em torno do que você menciona na introdução, por isso sugerimos que você não comece seu texto por ela. É bom que você, após ter elencado seus argumentos ao longo do desenvolvimento de seu texto, os retome e os mencione. Leia os textos de Amanda e Marcus na íntegra e note que a introdução dá pistas, como dizemos nas nossas aulas, sobre o que será discutido.

Precisamos também ter atenção no que se refere ao tamanho da introdução. Lembre que seus parágrafos devem ser consistentes, então, nada de introduções de oito linhas e parágrafos de desenvolvimento de cinco! Claro que isso dependerá do tamanho da sua letra, mas uma introdução de cinco linhas, em média, é recomendável.

Considere, além disso, que você não deve, jamais, escrever na folha oficial de prova tudo que vier à sua cabeça. Posso dar um conselho? Antes de começar até mesmo a escrever seu texto, mesmo que seja o rascunho, releia o tema atenciosamente, para que você consiga entender o que está sendo pedido. Dele, destaque as palavras que você julgar mais importantes, mas lembre que as palavras do tema devem aparecer pelo menos uma vez em seu texto. Se perguntar coisas como ‘O quê? ‘Como?’ e ‘Por quê?’ também pode auxiliar você na construção textual – além de ajudar você na hora de iniciar a sua redação. Sabemos que o relógio corre na hora da prova e a preocupação cresce, mas fazermos tudo na correria também pode ser prejudicial!

Seja direto e evite rodeios! Caso tangenciamos ao tema, nossa nota é muito prejudicada! Para a banca, é fácil perceber se o aluno se manterá ou não ao tema em discussão – e já na introdução somos capazes disso. Isso também diz respeito às palavras do tema. Por exemplo tomamos o tema de 2006 do ENEM, ‘O poder de transformação da leitura’. Se você só mencionar a importância da leitura, você tange ao tema. Mas, se você disser que a leitura é capaz de transformar vidas e ampliar horizontes, você não se distancia, e conquista seu leitor. Aqui você não mostra, ainda, seu ponto de vista, apenas afirma que a leitura tem certo poder transformador – a ideia será desenvolvida ao longo do seu texto.

Sabemos que frases como ‘Desde os primórdios’ e ‘Desde que os humanos existem’ são convidativas, mas elas devem ser evitadas a qualquer custo! Elas não têm valor argumentativo algum e, por já terem sido repetidas à exaustão, perdem qualquer valor expressivo. Use construções como ‘Muito se debate atualmente sobre (…)’ ou ‘É inegável que (…) contribui para a formação de uma sociedade mais ativa criticamente’ para iniciar seu texto – lembre-se das contextualizações sociohistóricas!

Evite mostrar os argumentos que você discutirá na introdução! Deixe nela, como mencionamos antes, apenas pistas sobre o que você abordará. Por exemplo, sobre ‘Efeitos da implantação da Lei Seca no Brasil’, tema ENEM 2013, se você já na introdução mencionar que a Lei Seca ajudou a diminuir o índice de acidentes automobilísticos, você entrega ao leitor o seu argumento, fazendo com que ele não se prenda. Uma forma de evitar isso, por exemplo, seria escrever ‘A Lei Seca foi instituída a nível nacional em 2010 pelo Governo Federal. Ela determina ações para coibir o consumo de bebidas alcóolicas em determinadas situações, como a direção de veículos. Dada a importância do assunto contemporaneamente, discutiremos aqui os efeitos que tal medida proporciona no corpo social brasileiro’. O que você acha disso?

Viu? Não há um manual ou modelo padrão a ser seguido quando você estiver iniciando uma redação. Porém, acreditamos que seguindo as dicas e as informações que listamos aqui, você será capaz de escrever uma introdução boa, que cative seu leitor e não seja nem vaga nem vazia. Agora, é só praticar! Envie seus textos na plataforma, participe das aulas online, assista os nossos vídeos no YouTube! Bons estudos!

 

Para se aprofundar, você pode consultar:

 

Para escrever esse artigo, consultamos as seguintes obras:

  • BOAVENTURA, Edivaldo. Como ordenar as ideias. 3ª ed. São Paulo: Ática, 1993. (Coleção Princípios).
  • MARTINS, Ozanir Roberti. Manual de redação específico para concursos. Rio de Janeiro: edição do autor, 2004.

 

Autor:

Juan Rodrigues é graduado em Letras-Português/Inglês (UVA) e especialista em Língua portuguesa (CELLP). É membro da comissão corretora de redações da plataforma ProENEM.

Local de prova do Enem 2018 já pode ser consultado

Veja onde será sua prova do ENEM 2018

Os candidatos que farão o Enem neste ano já podem consultar o cartão de confirmação com o local e horário das provas. O cartão de confirmação é o documento que comprova a inscrição de cada candidato no Exame Nacional do Ensino Médio, sendo o acesso a ele individual. Por conta disso, serão solicitados dados pessoais e senha. Para verificar o local de prova, é necessário fazer login na página do participante utilizando o número do CPF e a senha cadastrada no momento da inscrição.

Não é obrigatória a apresentação do cartão de confirmação no dia da prova, porém o Inep recomenda que os candidatos imprimam o documento para que evitem confusões. Com o documento em mãos, o aluno corre menos risco de se confundir com o endereço e horário de início das provas. Além do endereço completo, no cartão também consta a informação do número da sala em que cada candidato fará a prova.

Neste ano, as provas do Enem acontecerão nos dois primeiros domingos de novembro. No dia 4 ocorrerá a aplicação das provas de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias/Redação/Ciências Humanas e suas Tecnologias e, no dia 11, será feita a aplicação das Provas de Ciências da Natureza e suas Tecnologias/Matemática e suas Tecnologias.

Não se atrase para o ENEM

Dica do ProEnem: verifique exatamente onde fica o seu local de prova e calcule o tempo para chegar ao local utilizando o Google Maps ou algum outro serviço de sua preferência. Programe-se desde já para que não ocorram problemas com atrasos no ENEM. Esse é um momento importante na sua vida, planeje-se.

Enem 2018 no horário de verão

Ficou sabendo que o horário de verão vai começar no dia da primeira prova? O Governo Federal voltou atrás da decisão de adiar o início do horário de verão para o dia 18 de novembro. A data inicial será mantida (4/11), coincidindo com o primeiro dia de provas do ENEM.

Alimentação para o ENEM 2018

Com a mudança no horário de verão, seu corpo sofre para se adaptar a nova rotina. Você pode seguir algumas dicas essenciais para turbinar seu cérebro nesses 2 dias tão importantes, afinal, você não estudou 1 ano inteiro para deixar a fadiga dominá-lo, não é mesmo?!

Como funciona o ENEM para a conclusão do ensino médio?

Querendo saber como funciona o ENEM para conclusão do ensino médio?

Então, não funciona mais! Hoje a prova para certificação é o Encceja.

O ENEM foi criado em 1998 como ferramenta de avaliação do ensino médio no país, mas já com a ideia de se tornar um exame único para acesso ao ensino superior, tornando-o maior vestibular do Brasil.

Entre 2009 e 2016 tinha essa opção, havia todo um cuidado para ensinar como funciona o ENEM para conclusão do ensino médio, no ato da inscrição o candidato marcava essa opção e escolhia a instituição pra retirar o certificado de conclusão do ensino médio, caso fosse aprovado, em 2017, isso mudou. A prova para certificação de conclusão do ensino médio passou a ser o Encceja.

Caso você tenha feito o ENEM entre 2009 e 2016 e não retirou o seu certificado, olha aqui como funciona o ENEM para conclusão do ensino médio.

Você se inscreveu no ENEM, escolheu a instituição certificadora, conseguiu a nota e agora?

Agora você recolhe seus documentos e corre lá gritando desesperado atrás do certificado!

Não!! Tô brincando!

Recolhe os seguintes documentos:

  • Carteira de identidade e CPF (cópias e originais);
  • Certidão de Nascimento ou Casamento (cópia);
  • Comprovante de endereço com CEP (cópia);
  • Boletim individual de resultados expedidos pelo INEP referentes ao último Enem (cópia);
  • Declaração individual, devidamente assinada, que ateste não haver concluído o Ensino Médio (expedido na hora pela instituição certificadora);
  • Declaração individual, devidamente assinada, que autorize a utilização do resultado do Enem (expedido na hora pela instituição certificadora).

Feito isso, entre em contato com a instituição.

Bem, agora que sabemos que o ENEM não funciona para a conclusão do ensino médio, vamos ver como funciona o Encceja, pra você conseguir o seu certificado. É isso o que você quer, certo?

Primeira coisa importante: a inscrição é gratuita!

Os documentos básicos para inscrição são identidade e CPF, as inscrições são feitas  online no site: http://enccejanacional.inep.gov.br/encceja/#!/inicial, o candidato precisa ser maior de 18 anos para prestar o exame.

No Encceja para certificação do ensino médio são avaliadas as seguintes áreas do conhecimento: Ciências da Natureza e suas Tecnologias que compreende as disciplinas de Química, Física e Biologia, Matemática e suas Tecnologias; Linguagens, Códigos e suas Tecnologias que compreende as disciplinas de Língua Portuguesa, Língua Estrangeira Moderna, Artes, Educação Física e Redação, Ciências Humanas e suas Tecnologias que compreende as disciplinas de História, Geografia, Filosofia e Sociologia.

Caso o candidato tenha prestado anteriormente o Encceja, ou o ENEM quando esse funcionava para conclusão do ensino médio, e tenha obtido pontuação necessária para a certificação, deve se inscrever apenas para as áreas que não conseguiu a pontuação sendo ela unicamente redação, deve escolher a área de conhecimento Linguagens, Códigos e suas Tecnologias (Língua Portuguesa, Língua Estrangeira Moderna, Artes e Educação Física).

Caso precise de atendimento especial para prestar o exame, basta solicitar no ato da inscrição.

A pontuação mínima exigida para certificação, por área do exame, é 100 (cem) pontos e na redação 5 (cinco) pontos, e na área de Língua Portuguesa, Língua Estrangeira Moderna, Artes e Educação Física, para ter a certificação parcial, ou seja, só dessa disciplina, tem que alcançar no mínimo, o mínimo das notas nas duas áreas.

Concluindo, como funciona o ENEM para a conclusão do ensino médio? Não funciona.

Hoje a certificação de conclusão do ensino médio de faz pelo Encceja (Exame Nacional Para Certificação de Competências de Jovens e Adultos ), que tem inscrição gratuita, só pode ser feito por maiores de 18 anos, pode ser prestado parcialmente, ou seja, se o candidato não for aprovado em todas as áreas no primeiro exame, pode prestar o próximo somente pras áreas que não foi aprovado.

Somente depois da certificação ele poderá prestar o ENEM para ingressar numa faculdade ou concorrer as bolsas do PROUNI.

Luciana Fortuna

O que mudou no ENEM 2018

O ENEM passou por mudanças e nós vamos explicar tudo!

Se você ainda não sabe o que mudou no ENEM 2018, fique ligado. Este ano, a responsável pela capacitação dos corretores passou a ser a Fundação Getúlio Vargas. Trata-se de uma das bancas que já compunha o atual consórcio com a Vunesp, grupo contratado pelo Inep – atual responsável pela realização do ENEM. Socorro!

Em 2016, o responsável pelo realização do ENEM era o CEBRASPE – Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos. Por anos, os alunos estudaram pelas provas anteriores e puderam confiar nos modelos anteriores para enfrentar os exames seguintes. Em 2017, com a contratação do atual grupo – Vunesp, FGV e Cesgranrio – para aplicação e correção do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) instaurou-se um período de insegurança bastante acirrado entre os estudantes. Como se preparar para uma prova inédita, já que as novas questões seriam elaboradas por uma nova organizadora e a redações seriam corrigidas a partir de uma nova leitura dos critérios do Inep?

Na época, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) explicou, em nota, que o trabalho das fundações seria apenas de aplicação e correção do Enem e que as questões continuariam a ser elaboradas pela autarquia do governo federal. Entretanto, várias áreas de conhecimento sentiram mudanças na forma de a prova cobrar os conteúdos. Antes, a maioria das questões era longa e trazia uma pequena explicação antes da pergunta (contextualização), depois passaram a ser mais curtas e objetivas, em sua maioria.

Sobre a prova escrita, poucos foram os candidatos que conseguiram tirar nota 1000 na redação com a nova banca. De acordo com o Ministério da Educação (MEC), apenas 53 alunos conseguiram a sonhada nota mil na redação do ENEM de 2017, num universo de 4,72 milhões. O número parece assustador, mas se considerarmos que na edição anterior houve 77 notas máximas dentro de uma quantidade muito maior de candidatos, não representa uma crise de produção textual. É mais do mesmo. Era ruim e agora não está péssimo.

Parece que os candidatos aprovaram as mudanças nos modelos de pergunta e já se empolgaram para usar as redações nota 1000 de 2017 como modelo. Então, eis que surge a temida notícia: mudou de novo. A Vunesp abriu mão da correção da prova dissertativa. Quem assumiu o destino da sua vida, ou melhor, a correção da sua redação foi a FGV.

Com a saída da certificação pelo ENEM em 2017, a tendência é surgirem questões cada vez mais pontuais e objetivas na múltipla escolha. Atualmente o Encceja é o responsável pela prova de certificação, que acontece em outra data.

Portanto, O que mudou no ENEM 2018 em redação?

Em relação à correção da redação, os critérios não mudaram, mas a forma de interpretar esses critérios pode assustar os candidatos desavisados.

COMPETÊNCIA I

DEMONSTRAR DOMÍNIO DA NORMA CULTA DA LÍNGUA ESCRITA.

Na época do Cebraspe, essa competência só tratava de erros gramaticais. Atualmente, avalia se a organização sintática dentro dos parágrafos é competente. Frases inadequadas, com divisão ilógica configuram um problema nesse critério.

COMPETÊNCIA II

COMPREENDER A PROPOSTA DE REDAÇÃO E APLICAR CONCEITOS DAS VÁRIAS ÁREAS DE CONHECIMENTO PARA DESENVOLVER O TEMA, DENTRO DOS LIMITES ESTRUTURAIS DO TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO.

Verifica se o texto é dissertativo e se o tema foi abordado. Sobre o domínio de outras áreas, houve uma época em que o simples uso de uma citação garantia a valorização do candidato nesta competência. Atualmente o uso do domínio não pode mais ser “carteado” ou “superficial”. As informações empregadas precisam ter uma fonte relevante e estar relacionada a uma das expressões que compõem o tema. Ou seja, a citação da tia, a citação do filósofo que não tem nada a ver com treta da redação não valem muita coisa.

COMPETÊNCIA III

SELECIONAR, RELACIONAR, ORGANIZAR E INTERPRETAR INFORMAÇÕES, FATOS, OPINIÕES E ARGUMENTOS EM DEFESA DE UM PONTO DE VISTA

O critério avalia basicamente se seu texto traz uma previsibilidade de escrita. Ou seja, quer saber se em cada parágrafo você escreve o que lhe vem à cabeça sobre o tema, ou se você está tentando comprovar elementos explicitados na sua introdução.

COMPETÊNCIA IV

DEMONSTRAR CONHECIMENTO DOS MECANISMOS LINGUÍSTICOS NECESSÁRIOS PARA A CONSTRUÇÃO DA ARGUMENTAÇÃO

Não repita palavras. Use conectivos para mudar de um parágrafo para o outro e para amarrar as frases dentro do parágrafo.

COMPETÊNCIA V

ELABORAR PROPOSTA DE SOLUÇÃO PARA O PROBLEMA ABORDADO, MOSTRANDO RESPEITO AOS VALORES HUMANOS E CONSIDERANDO A DIVERSIDADE SOCIOCULTURAL

Esqueça aquela história de duas propostas ou de dois agentes. Isso já saiu de moda há várias estações. Faça uma proposta dentro do tema e que apresente agente social, ação, maneira ou recurso de realização desta ação e finalidade da medida. É importante especificar um desses elementos, aprofundando-se nas informações relevantes a ele.

Tudo sobre a cartilha de redação do ENEM 2018

O que mudou no ENEM 2018 em humanas?

A expectativa é de perguntas mais específicas que exigem do candidato mais conhecimento prévio do que a simples interpretação de textos verbais e não verbais.

O que mudou no ENEM 2018 em exatas?

Tradicionalmente, o raciocínio lógico e a leitura de gráficos ou imagens sempre salvou muitos alunos com dificuldade na área. A expectativa de questões mais pontuais, direcionadas à aplicação de fórmulas e conteúdos específicos devem marcar mais presença no exame.

O que mudou no ENEM 2018 em Biológicas?

Se você se lembra daquelas questões longas que revisam o conteúdo antes de fazer a pergunta, saiba que elas estão entrando em extinção. Os conceitos teóricos devem aparecer aplicados em situações cotidianas, mas a pergunta chega de forma mais direta.

Agora que você já está por dentro do que mudou no ENEM 2018, mão à obra! Hora de praticar.

Como se alimentar antes da prova do ENEM

Como a sua alimentação pode influenciar o seu desempenho no ENEM.

Olá! Você pode estar se perguntando, para se dar bem no ENEM, não basta apenas dominar o conteúdo que será cobrado? Para realizar uma boa prova no ENEM 2018, estudar é fundamental, mas para aguentar horas de prova, mantendo a concentração e disposição durante esse período, é importante fornecer o “combustível” que seu corpo precisa. Por isso, uma boa alimentação fará toda a diferença na hora do exame.

Pensando nisso, listei algumas dicas essenciais para turbinar seu cérebro nesses 2 dias tão importantes, afinal, você não estudou 1 ano inteiro para deixar a fadiga dominá-lo, não é mesmo?!<

O que consumir na semana anterior à prova do ENEM?

Café da Manhã:
Consuma muitas frutas ricas em vitaminas e minerais, pois além de nutritivas, fornecem mais saciedade e liberam energia gradativamente. Um destaque para a banana e o abacate, ricos em triptofano, que produzem a sensação de bem-estar que você precisa para diminuir o estresse da prova.

Castanhas de caju e do Pará, amêndoas, amendoim e aveia, são ricas em ácido glutâmico, que aumentam a função cerebral e atividade mental, melhorando principalmente a cognição e a memória.

Ah! E não se esqueça dos ovos, pois são ricos em triptofano e proteína, fornecendo bastante energia, além disso, são ricos em colina, que aumenta a capacidade de aprendizado.

Almoço:
O almoço é uma das refeições maias importantes do dia. Portanto, invista em Ômega 3. Óleo de peixe ou óleo de linhaça são uma boa pedida, podendo ser ingeridos em sua forma normal ou em cápsulas, pois ajudam a formar a bainha de mielina, que envolve os axónios e recobre os neurônios para que eles se comuniquem com facilidade.

Além disso, capriche nos legumes e vegetais, principalmente os de tom verde escuro, pois são ricos em ácido fólico, previnem depressão e outros distúrbios mentais.

Por falar nisso, arroz, quinoa e cereais integrais previnem o declínio cognitivo e têm função antioxidante. Poderosos!

E que tal uma fruta de sobremesa? Prefira as frutas ricas em vitamina C para melhorar a absorção do ferro da sua refeição e são ricas em antioxidantes, auxiliando o sistema nervoso a criar células.

Ex: Laranja, tangerina, maracujá, morango e acerola.

Lanche da Tarde:
Prefira lanches leves. Opte por iogurte com frutas e granolas ou por sanduíches feitos com pão integral. Mas pode rechear conforme preferência, viu! Com frango, pasta de ovos, ovos mexidos, atum, salpicão ou fontes veganas como guacamole, cogumelos, pasta de amendoim, tahine ou homus.

Jantar:
Para quem tem dificuldade de dormir, evite refeições de difícil digestão, principalmente carne vermelha. Prefira frango, peixe ou ovos com vegetais, legumes, batatas e arroz.

Uma alimentação saudável ajuda bastante para a prova do ENEM

 

Controlando a ansiedade na reta final do ENEM

O que evitar comer antes da prova do ENEM?

Refrigerantes e excessos de frituras:
Esses alimentos fornecem calorias vagas e podem diminuir a sua atenção e sua capacidade de raciocínio.

Açúcares e chocolates ao leite:
Esses alimentos dão a falsa sensação de melhorar a sua atividade cerebral, mas como são absorvidos rapidamente, diminuirão a sua concentração bem na hora da prova, por isso, evite-os!

Carnes vermelhas:
Como são de difícil digestão, podem promover desconforto gástrico e intestinal, além de promoverem sonolência.

Estimulantes e energéticos:
Diminuem a concentração e o foco, além de prejudicarem a qualidade do sono que é essencial para realizar uma boa prova.

O que consumir no dia da prova do ENEM?

Café da Manhã/Almoço:
Faça uma refeição bastante reforçada, lembre-se que ficará horas fazendo a prova, por isso, essas refeições são bem importantes. Uma vitamina de leite, banana e aveia é uma boa pedida ou um suco de frutas variadas ou até um copo de água de coco.

Use gorduras boas: azeite, óleo de coco e oleaginosas como nozes, castanhas do Pará ou amêndoas ou castanhas de caju. Não se esqueça da cafeína – café, chá preto, chá verde, mate, pó de guaraná para melhorar a atividade cerebral, mas evite o excesso.

Outra opção é tomar o café com o pó de guaraná ou pó de guaraná com água e frutas, como morango. Isso vai ajuda-lo ainda mais a turbinar seu cérebro.

O que comer na hora da prova do ENEM?

Muitas frutas, oleaginosas, sementes, sanduíche com pão integral e queijo magro, ovos cozidos, barras de proteínas, chocolate amargo e iogurte naturais.

Hidrate-se!
A água é essencial, por isso, ela é tão importante quanto a sua caneta, não esqueça! Além disso, você pode levar mate para te despertar e animar em alguns horários.

Bem, agora que você já sabe o que botar pra dentro antes da prova, é só focar de novo no que bota pra fora nas questões e na redação! Bons estudos e boas refeições. Até a próxima.

Como funciona o Enem?

Calma, você vai entender como o ENEM funciona

Olá! Se você é vestibulando e tem pouca ideia do que seja o Exame Nacional do Ensino Médio, saiba que você não é o único e foi justamente por isso que estamos aqui. Vem comigo e vamos desvendar todos os mistérios sobre o Enem!

Segundo o Ministério da Educação, o Exame Nacional do Ensino Médio, foi criado em 1998 com o objetivo de avaliar o (a) estudante no fim da sua fase de escolaridade básica. Porém, atualmente, é utilizado por mais de 500 universidades como um critério para ingressar no ensino superior. O exame substitui o vestibular de algumas universidades públicas e privadas, além de oferecer vagas em alguns cursos técnicos através do PRONATEC. Ficou curioso para saber como funciona o Enem de maneira mais detalhada? A seguir vamos responder as perguntas mais recorrentes sobre o tema:.

Como funciona a prova do Enem?

A prova do Enem é constituída por uma redação e duas provas objetivas, cada uma com 90 questões dos seguintes eixos temáticos:

  • 45 questões de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias;
  • 45 questões de Ciências Humanas e suas Tecnologias;
  • 45 questões de Ciências da Natureza e suas Tecnologias;
  • 45  questões de Matemática e suas Tecnologias.

Atualmente, a prova é dividida em dois domingos consecutivos: no primeiro dia, a prova é dividida entre Redação; Linguagens; Códigos e suas Tecnologias;  Matemática e suas tecnologias. Parece muita coisa, mas esse dia conta com 30 minutos a mais para a realização do exame. No segundo dia, a prova conta com 90 questões de Ciências Humanas e suas tecnologias; e Ciências da Natureza e suas tecnologias, portanto, no primeiro dia, a avaliação deve ser realizada em 5 horas e meia no segundo em 5 horas.

O que devo fazer com a nota do Enem?

Sabendo como funciona o Enem, você estará mais preparado para entender o que fazer com a nota do Enem. Assim, poderá ingressar em uma universidade pública através do SISU ou privada com o PROUNI ou FIES, e ainda quem sabe, ingressar em uma universidade portuguesa com a sua nota no exame.

  • O Sistema de Seleção Unificada (SISU) foi criado pelo Ministério da Educação para selecionar alunos(as) para ocupar vagas nas instituições públicas utilizando a nota do Enem
  • O Programa Universidade para Todos (PROUNI) é destinado para concessão de bolsas para o ensino superior privado, as bolsas podem ser do valor integral ou parcial, isso depende da sua nota no Enem. Ademais, é importante lembrar que o PROUNI só é válido para alunos de escola pública ou bolsistas.
  • O Financiamento Estudantil (FIES) tem o intuito de custear o ensino superior privado, com parcelamentos do valor da mensalidade da Universidade a longo prazo.

todos-processos-seletivos-que-usam-o-enem

Fonte: https://ativafm.net/index.php/2017/01/18/confira-as-datas-do-sisu-prouni-e-fies-processos-seletivos-que-usam-o-enem/

Quem pode participar das ações afirmativas do Enem?

Existem vários tipos de ação afirmativa envolvendo a avaliação Nacional do Ensino Médio. O objetivo é promover a igualdade social. Vamos entender quem tem direito a essas práticas:

1 – Candidatos com renda familiar bruta (por pessoa) igual ou inferior a 1,5 salário mínimo que tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas (Lei nº 12.711/2012). 

2 – Candidatos autodeclarados pretos, pardos ou indígenas, com renda familiar bruta por pessoa igual ou inferior a 1,5 salário mínimo e que tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas (Lei nº 12.711/2012).

3 – Candidatos que, independentemente da renda (art. 14, II, Portaria Normativa nº 18/2012), tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas (Lei nº 12.711/2012).

4 – Candidatos autodeclarados pretos, pardos ou indígenas que, independentemente da renda (art. 14, II, Portaria Normativa nº 18/2012), tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas (Lei nº 12.711/2012).

Afinal, quem pode fazer a prova do Enem?

O Enem é uma prova inclusiva, portanto, TODOS(AS) podem participar do exame. Independente da idade, escolaridade – pois existe a opção treineiro -, ou limitação física. O Inep disponibilizou recentemente no seu site informações relativas a quem pode realizar a prova. Portanto, se você se enquadra em algum caso específico listado abaixo, não se preocupe, a prova também é feita pra você!

  • Autismo
  • Baixa visão
  • Cegueira
  • Deficiência auditiva
  • Deficiência física
  • Deficiência intelectual (mental)
  • Déficit de atenção
  • Discalculia
  • Dislexia
  • Surdez
  • Surdocegueira
  • Visão Monocular
  • Gestante
  • Idoso
  • Lactante
  • Estudante em Classe Hospitalar
  • Outra Situação Específica

Fonte: https://enem.inep.gov.br/#/antes?_k=1rde0y

Mas como funciona o ENEM para quem precisa de atendimento diferenciado?

Relax. Se for necessário atendimento especializado é só enviar um laudo médico através da área do inscrito e acompanhar se sua solicitação foi aceita. Uma observação importante: se o laudo médico foi enviado e solicitado em 2017, nos próximos exames ele será valido, caso solicite mesmo tipo de atendimento.

Pronto. Agora que você sabe como funciona o Enem, que tal começar a se preparar para o exame? O Primeiro passo é pensar num plano de estudos. O ProEnem, além de apresentar toda a matéria e oferecer redação corrigida e comentada, orienta seu alunos com monitoria coaching e um plano de estudos bem organizado.

Como será o ENEM em 2018
Como será o ENEM 2018, segundo o portal do ENEM.
Fonte: http://aquiraz.ce.leg.br/institucional/noticias/veja-como-sera-o-enem-2018/image/image_view_fullscreen

Como estudar sozinho para o ENEM?

“Bateu insegurança, mas nunca pensei em desistir. Na minha cidade não tinha cursinho nem escola particular. Estudei dentro de casa e passei pra Medicina.”
Rafael Dias (Candidato do interior de Minas aprovado para Medicina na UFF – RJ)

Atualmente, a mídia tem buscado equiparar as possibilidades de aprovação no ENEM ao valor da mensalidade que o candidato paga no preparatório. A perspectiva vendida é a de que, quanto mais caro for o curso, mais perto da aprovação estará o aluno que quer ingressar no nível superior.

Essa tentativa, além de se tratar de uma proposição falsa, representa uma lógica que contribui para o agravamento das diferenças sociais em nosso país. Se fosse uma regra, quem tivesse condição de pagar uma boa faculdade particular arcaria com o curso mais caro e, consequentemente, estudaria na pública. Já os que não tivessem condição de bancar as custosas preparações, fatalmente, não passariam para o ensino federal ou estadual, e a eles restaria o ensino privado ou o não estudo. Será sempre assim?

Felizmente, o protagonismo de muitos jovens ao assumirem as rédeas de seus futuros vem tornando cada vez mais comum a aprovação dos ousados que escolhem a estratégia certa e estudam sozinhos. Mas o que é estudar sozinho para o ENEM?
Entende-se como “estudar sozinho” a prática de estudos não vinculada aos tradicionais cursos presenciais, cada vez mais caros, corridos e que demandam cada vez mais tempo de adaptação e deslocamento do jovem. Então, qual o principal aliado do jovem atualmente? Sim, internet.

5 Passos para estudar sozinho para o ENEM:

1 – Reserve tempo e espaço fixos para estudar em casa.

A rotina pode ser a chave para você evoluir mais rapidamente nos estudos. Seja fiel ao período reservado para aprender.

2 – Faça um plano de estudos ou busque um curso online que o apresente.

É muito importante ter uma previsão do que pretende estudar e dividir o conteúdo pelo tempo, até a data do ENEM.

3 – No ENEM, não use apenas as provas anteriores como base.

As bancas de elaboração têm mudado. Assim, busque não somente as últimas provas do ENEM como questões de outras bancas sobre o tema que está estudando.

4 – Cuidado com as pegadinhas da internet.

Escolha um canal, plataforma ou influenciador para seguir e invista em suas dicas.

5 – Busque alguém mais experiente para corrigir suas redações.

Redação corrigida e comentada de acordo com a banca é o segredo para realmente aprender a redigir de acordo com as exigências da banca. Só tome cuidado para não envolver alguém que entenda menos que você.

Redação corrigida e comentada de acordo com a banca é o segredo para realmente aprender a redigir de acordo com as exigências da banca. Só tome cuidado para não envolver alguém que entenda menos que você.

Preparação para o ENEM – Passado e Futuro

No passado, ainda que o estudante não pudesse se deslocar até um curso presencial, seria necessário seu deslocamento pelo menos até a biblioteca, no sentido de preparar-se para o grande desafio. Atualmente, livros, blogs, vlogs, videoaulas, apostilas, entre muitos outros recursos, estão disponíveis na internet, a um clique de quem quer saber mais, como nos mostra o depoimento dos aprovados. Mas qual é o grande segredo para estudar sozinho para o ENEM?

O estudante Rafael Dias, morador do interior de Minas Gerais, deparou-se com o desafio de não ter cursos preparatórios ou escolas particulares em sua cidade que, atualmente, conta com pouco mais de 12 mil habitantes. Onde encontrar mais informação do que ele já tinha em seu ensino regular na escola pública? A solução encontrada foi estudar sozinho pela internet; porém, com tanto conteúdo e informação falsa disponível na rede, o jovem precisou recorrer a um preparatório que lhe ajudasse com plano de estudos, simulados e interação, para que ele se mantivesse constantemente motivado. Foram só alguns meses de olho na telinha do computador e, aos 17 anos, o menino sonhador da chamada região da caratinga entrou pelas portas da frente da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Nota baixa no primeiro simulado

Quando se lembra do início da preparação e da nota baixa em seu primeiro simulado, Rafael aponta que o desafio foi controlar o desânimo:

Bateu insegurança, mas nunca pensei em desistir. Na minha cidade não tinha cursinho nem escola particular. Quem tinha condição social e estava disposto saía da minha cidade e ia estudar em preparatórios nas cidades vizinhas. Estudei dentro de casa e passei para Medicina.

Como é possível fazer uma boa redação para o ENEM?

Pode até parecer conto de fadas, mas histórias como a de Rafael vem se tornando cada vez mais comuns. A internet, que antes era vista apenas como meio de entretenimento por parte da sociedade, tornou-se atualmente a melhor amiga de quem está se preparando para ENEM.

Mas nem tudo são flores. Um outro desafio enfrentado pelo estudante foi a redação. Se o jovem estava estudando sozinho, como poderia receber o feedback sobre seus erros e desvios? Felizmente, ele descobriu que podia mandar seus textos para o ProEnem e que, além das correções corrigidas por competência, ele receberia com comentários nos erros para melhorar seu desempenho.

Minha primeira nota em redação na plataforma foi 520. Não desanimei. Estudei, fui melhorando e minha nota foi 880 no ENEM, conta Rafael.

numero-de-eleicoes

Número de eleitores por grau de instrução

Disponível em: https://www.eleicoesepolitica.net/numero-total-de-eleitores/ubaporanga-mg/

Estudar sozinho atualmente pode até parecer um desafio muito grande, ainda mais estudar sozinho para o ENEM, mas o fato é que, se bem usada representa um trunfo. Só para ter ideia do feito do rapaz, em sua cidade, o índice de eleitores com nível superior é de 1% contra 7% de analfabetos[1]. Nesse sentido, a internet pode não só colocar estudantes online e presenciais de diferentes regiões do país no mesmo nível, como fazer quem só estuda sozinho com seu computador disparar, conforme explica o Professor Romulo Bolivar:

No presencial, só podemos avançar com a matéria quando a maior parte da turma entende. Se um aluno específico traz alguma dúvida particular, é muito difícil parar para atendê-lo. Tentamos aproveitar intervalos ou momentos antes e depois da aula para auxiliá-lo ou indicar outras fontes de pesquisa. No online, é diferente. O conteúdo está disponível para ele avançar, ver e rever, de acordo com sua necessidade. Ele não se adapta ao ritmo de ensino, mas o ritmo se adapta a ele, conclui Romulo, que leciona Redação tanto em preparatórios presenciais quanto no ProEnem.

Independentemente do caminho que se segue, quando a aprovação chega, a reação é só de orgulho. Para quem quis estudar sozinho, a alegria não poderia ser diferente.

Minha mãe já saiu ligando para o meu pai e avisando a família inteira. Todos ficaram muito felizes, conta Rafael, já calouro da UFF.

professor-romulo
Professor Romulo Bolivar e o calouro em Medicina Rafael Dias

Algo fundamental a fazer é criar amizades, ainda que virtuais, com o mesmo propósito. Por isso, para quem pretende estudar sozinho e se tornar um candidato focado, é importante promover o contato com outros estudantes que possam compartilhar conteúdo, dicas e experiências de sucesso. O canal do ProEnem apresenta aulas ao vivo de segunda a sexta. Nos bate-papos durante as aulas, muitos alunos aproveitam para se organizar em grupos, comunidades e se ajudarem em suas jornadas de preparação. Aproveite!

Meio Ambiente – Veja os 5 assuntos que mais caem no Enem

Em 5 de junho, comemora-se o Dia Mundial do Meio Ambiente, data que tem como objetivo aproveitar ações individuais e transformá-las em um empreendimento coletivo que venha a construir um legado de impacto duradouro para o planeta. Por conta dessa data muito importante para o mundo, reunimos 5 dos assuntos que mais caem no Enem e são relacionados à temática do Meio Ambiente.

O Dia Mundial do Meio Ambiente foi estabelecido durante a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, em Estocolmo, capital da Suécia, no ano de 1972, pela própria ONU (Organização das Nações Unidas). Essa data tem a finalidade de chamar a atenção de todo o planeta para a importância da preservação dos recursos naturais e também para os problemas ambientais gerados pela poluição.

A ONU escolhe todos os anos um tema relacionado às questões mais preocupantes na atualidade. Em 2018, tendo a Índia como anfitriã, o tema escolhido foi Beat Plastic Pollution, que significa Combater a Poluição Plástica. Todos os anos, 8 milhões de toneladas de plástico são despejados nos nossos oceanos, ameaçando a vida marinha, a vida humana e destruindo os ecossistemas naturais. É importante trabalhar junto com governos para reconsiderar o uso de materiais plásticos, gerar soluções inovadoras e ajudar a aumentar a conscientização.

Pensando nisso, elaboramos o Top 5 dos assuntos que mais caem no Enem em Biologia. “Se liga” só:

Aquecimento Global: O Aquecimento Global é causado pelo acúmulo de gases poluentes na atmosfera (principalmente o gás carbônico, o metano, os clorofluorcarbonos, CFCs, e o óxido de nitrato). Esse acúmulo causa uma maior concentração da irradiação do calor solar da superfície do planeta, provocando o aumento da temperatura.

Derramamento de Petróleo: O Derramamento de Petróleo, também conhecido como “maré negra”, ocorre geralmente por conta de acidentes ou práticas inadequadas com a utilização de petróleo. Esse tipo de poluição ambiental, geralmente, não é facilmente contido, sendo muito tóxico para os animais que vivem próximo às áreas atingidas.

Eutrofização: A eutrofização é um processo geralmente provocado pelo homem (ou, raramente, de ordem natural) e consiste na grande concentração de matéria orgânica acumulada nos meios aquáticos.

Poluição da Água: A poluição da água é causada por conta de alterações em sua qualidade, tornando-a imprópria para o consumo e prejudicial aos organismos vivos que ali habitam.

Lixo: É qualquer material sólido sem utilidade descartado por atividades humanas. Podemos classificá-lo como Lixo orgânico, que é todo resíduo de origem animal ou vegetal, e Lixo inorgânico, que é todo material cuja origem não é biológica.

É fundamental que cada um faça a sua parte e que toda a sociedade reivindique o cumprimento das leis ambientais. Todos devemos assumir uma postura de responsabilidade ambiental, pois só assim conseguiremos mudar o quadro atual.