PROTEÍNAS I

Entre as moléculas orgânicas, a mais abundante nas células são as proteínas, encontradas em todas as células. São macromoléculas formadas pela união de várias moléculas menores denominadas aminoácidos.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Qualquer molécula de aminoácido tem um grupo carboxila () e um grupo amina () ligados a um átomo de carbono.

O que faz um aminoácido (AA) se diferenciar de outro é o seu radical (R). Esse radical pode ser um simples hidrogênio, um grupo metil () ou grupos mais complexos.

Existem 20 aminoácidos diferentes presentes na natureza que são a “matéria–prima” para a síntese de todas as proteínas. Os vegetais conseguem produzir todos os tipos de AA. As células animais, no entanto, não conseguem produzi–los em sua totalidade. Por isso, chamamos de naturais os aminoácidos que o organismo animal consegue produzir e de essenciais aqueles que ele só consegue adquirir pela ingestão de alimentos.

Sem eles, várias proteínas animais não seriam produzidas.

Importante:

Medicina 2020 Enem Plus

Assine agora por 12x de R$27,90 e garanta uma plataforma com preparação completa.

São aulas ao vivo, videoaulas gravadas, simulados, exercícios com resolução em vídeo, projetos especiais e mais. 😬

Cada espécie na natureza apresenta uma necessidade específica de aminoácidos essenciais. Na espécie humana, os aminoácidos naturais e essenciais estão divididos em:

LIGAÇÃO PEPTÍDIA

A ligação que une os aminoácidos é chamada de ligação peptídica.

Sempre que dois aminoácidos se unem para formar um dipeptídeo, uma molécula de água () é formada.

A ESTRUTURA DAS PROTEÍNAS

Cada proteína formada tem uma ordem e sequência de AA estabelecida pelo material genético contido na célula. Essa sequência constitui a estrutura primária de uma proteína.

Exemplo: insulina, ocitocina.

No entanto, a proteína não é um fio esticado, ela pode apresentar dobras e enrolamentos determinados por atrações químicas entre os aminoácidos.

Esse fio se torce, tomando geralmente a forma de uma hélice, como uma trepadeira que cresce em volta de um poste.

Se o filamento proteico tiver uma forma helicoidal, a sua estrutura é secundária.

Exemplo: queratina, colágeno.

Na maioria dos casos, porém, o filamento helicoidal dobra-se sobre si mesmo, de tal maneira que a molécula fica de forma arredondada, formando uma estrutura terciária.

Enem 2020 Plus

Assine agora por 12x de R$22,90 e garanta uma plataforma com preparação completa.

São aulas ao vivo, videoaulas gravadas, simulados, exercícios com resolução em vídeo, projetos especiais e mais. 😬

Exemplo:  mioglobina.

OBSERVAÇÃO

Alguns autores consideram uma quarta forma de classificação para as proteínas. Elas são chamadas de quaternárias pelo fato de possuírem estruturas terciárias ligadas entre si.


Exemplo: Hemoglobina

Qualquer alteração na estrutura de uma proteína pode modificar a sequência de aminoácidos e, consequentemente, as propriedades da proteína. No homem, por exemplo, existe uma doença, a anemia falciforme, causada por uma modificação de apenas um único aminoácido, na molécula de hemoglobina. A hemácia portadora dessa hemoglobina anormal é frágil, tendo vida mais curta e sua destruição em grande escala causa anemia, às vezes, fatal. Além disso, em concentrações baixas de oxigenação, as hemácias se deformam, adquirindo o aspecto de foice, agrupando-se e entupindo pequenos vasos sanguíneos.

Alterações na forma das proteínas podem ser causadas por outros fatores, tais como altas temperaturas e variações no pH do meio. Nesses casos, falamos em desnaturação da proteína onde a perda da forma provoca a perda da sua função. A desnaturação pode ser reversível, quando as condições do meio voltam ao normal. No entanto, em muitos casos, é irreversível, como acontece com a albumina da clara do ovo; com o aquecimento, a albumina se desnatura e a clara solidifica-se; após o resfriamento, não volta a se liquefazer.

PAPEL DA PROTEÍNA

Várias são as funções das proteínas nos seres vivos. Entre as mais importantes estão:

Estrutural

Participam da estrutura de células e tecidos. Exemplos de proteínas teciduais:

colágeno: proteína de alta resistência encontrada na pele, nas cartilagens, nos ossos e tendões.

queratina: proteína impermeabilizante encontrada na pele, no cabelo e nas unhas. Evita a dessecação, o que contribui para a adaptação do animal à vida terrestre.

Exemplo de proteínas: membrana celular.


Contrátil

Encontradas, principalmente, nas células musculares.

Exemplos: Actina e Miosina.

Coagulação

É uma proteína que impede a perda de sangue quando um vaso é rompido.

Exemplo: Fibrinogênio.

Transporte

Proteína que transporta os gases respiratórios (O2 e CO2) no sangue.

Exemplos:    Hemoglobina – transporta gases no sangue.

Hemocianina – transporta O2 nos invertebrados.

Hormonal

Muitos hormônios são de natureza proteica.

Exemplos: Ocitocina – contração uterina.

Insulina – controla a taxa de açúcar no sangue (glicemia).

Defesa

Na presença de substâncias estranhas, chamadas de antígenos, o organismo produz proteínas de defesa, denominadas anticorpos de imunoglobulinas. O anticorpo combina-se, quimicamente, com o antígeno, de maneira a neutralizar o seu efeito.

A reação antígeno x anticorpo é altamente específica, o que significa que um determinado anticorpo neutraliza apenas o antígeno responsável pela sua formação.

O que é um antígeno?

Antígeno é qualquer substância reconhecida como estranha por um organismo, podendo ser uma molécula de proteína, de polissacarídeo e até mesmo um ácido nucleico. Nas bactérias, fungos e protozoários que invadem o homem, os antígenos são moléculas que existem nos envoltórios das células invasoras ou nas toxinas por elas produzidas. Nos vírus, os antígenos estão localizados nas capas que os revestem.

O que são anticorpos?

Anticorpos são moléculas de proteínas produzidas por um organismo que se destinam a combater os antígenos que o invadiram. Pertencem à categoria de proteínas conhecidas como imunoglobulinas representadas pela sigla Ig. Para cada antígeno deve ser produzido um anticorpo específico. No homem, existem cinco tipos de imunoglobulinas.

Quais são as imunoglobulinas?

A tabela a seguir relaciona os cinco tipos de imunoglobulinas (G – A – M – D – E) e algumas de suas características.

ANTICORPO VISTO COMO UMA MOLÉCULA

A molécula proteica de um anticorpo é complexa e possui o aspecto da letra Y. É formada por quatro cadeias de polipeptídeos, duas de pequeno peso molecular e as outras duas de alto peso molecular.

Cada cadeia polipeptídica possui uma porção variável que é a parte da molécula que difere de um anticorpo para outro. Os dois braços do Y são os locais que se ligam ao antígeno. A cauda do Y é o local de ligação do anticorpo ao receptor de membrana existente na célula de defesa.

Um assunto que está muito em pauta nesses últimos tempos é a Aids. Essa doença é causada por um vírus que ataca o sistema imunológico, destruindo as células de defesa, os glóbulos brancos. Este é o grande problema de todo o mecanismo: quando o vírus ataca justamente as células de defesa do organismo, a produção de anticorpos fica prejudicada, não dando chance ao corpo para combater a infecção.

 A LIGAÇÃO DO ANTICORPO COM O ANTÍGENO

A ligação do anticorpo ao antígeno ocorre na região dos dois braços do Y. A porção variável de cada braço encaixa-se especificamente nas porções complementares existentes na molécula de antígeno, de modo semelhante ao encaixe de uma chave na fechadura.

Um vez ligados um ao outro, o anticorpo inativa o antígeno e o complexo antígeno-anticorpo formado vai ser englobado por uma célula fagocitária, que destruirá o complexo. Claro que esse anticorpo não poderá mais ser utilizado no combate aos antígenos. Por isso é que são produzidos em grande quantidade.

 IMUNIZAÇÃO: A DEFESA CONTRA AS DOENÇAS

As células produzidas pelos órgãos componentes do sistema imunológico atuam na produção de anticorpos. Esses, por sua vez, combatem antígenos existentes nos micróbios causadores de infecção ou nas toxinas por eles liberadas.

Passada a infecção, de modo geral, permanece apenas um pequeno número de células de memória que poderão, caso ocorra outra infecção provocada pelo mesmo agente infeccioso, efetuar um combate rápido e eficiente.

 QUE É A IMUNIZAÇÃO ATIVA?

Toda vez que contraímos uma virose, de modo geral ficamos imunizados contra ela. No nosso sangue permanecem as células de memória. No caso de uma reinfecção pelos mesmos vírus, essas células efetuarão um pronto combate, livrando-nos de ter a mesma virose novamente. Esse processo de imunização ativa natural funciona com a maioria das doenças infecciosas provocadas por vírus e bactérias.

Muitos vírus e bactérias, porém, são muito agressivos e é inimaginável fazer uma pessoa contrair a doença para depois ficar imune a ela. Assim, pensando-se em termos de prevenção de uma doença infecciosa, recorre-se a imunização ativa artificial a partir de vacinação das pessoas.

COMO SÃO FEITAS AS VACINAS

Micro-organismos patogênicos são multiplicados em condições especiais no laboratório. Posteriormente, esses micro-organismos são mortos ou enfraquecidos de modo a não serem capazes de provocar doença, mantendo, porém, a capacidade de funcionar como antígenos.

Exemplo:

Vacina contra a poliomielite.

Utilização de apenas uma fração do micro-organismo, que contém os antígenos como componente da vacina.

Exemplo:

Vacina contra a meningite meningocócica, em que são utilizados fragmentos das membranas que revestem as bactérias.

Utilização da toxinas, alteradas, produzidas por uma bactéria.

Exemplo:

Vacina antitetânica, preparada com toxinas alteradas da bactéria que provoca o tétano.

A RESPOSTA DO NOSSO CORPO À IMUNIZAÇÃO ATIVA

A quantidade de anticorpos produzidos durante o processo de imunização ativa é ilustrada pela figura.

A primeira injeção do antígeno provoca a chamada resposta primária, em que a produção de anticorpos é pequena. A segunda injeção provoca a resposta secundária, em que a quantidade de anticorpos produzidos é maior e a resposta é mais rápida.

De maneira geral, a primeira inoculação de antígenos em uma pessoa provoca o que se chama de resposta primária aos antígenos. Os anticorpos surgem depois de 3 a 14 dias da inoculação. Atingem certa concentração no sangue, declinando a seguir. Uma segunda inoculação de antígenos, algum tempo depois, provoca a chamada resposta secundária, muito mais rápida e produtora de maior quantidade de anticorpos em relação à resposta primária.

NEM SEMPRE PODEMOS CONTAR COM NOSSO CORPO: A IMUNIZAÇÃO PASSIVA

Certos antígenos são tão agressivos que não é possível aguardar a produção natural de anticorpos para combatê-los. Nesses casos, recorre-se à imunização passiva, ou seja, injetam-se no organismo doente (pessoas ou animais) anticorpos específicos para combater os antígenos agressivos. Por exemplo: quando ocorrem ferimentos profundos na pele, em regiões onde há bactérias do tétano, é fundamental a injeção de soro antitetânico contendo anticorpos que possam inativar, rapidamente, as toxinas produzidas pelas bactérias.

ENZIMAS

Algumas proteínas são enzimas, isto é, proteínas que aceleram uma reação química.

Essas proteínas especiais são chamadas de catalisadores e são, talvez, as substâncias mais importantes de um organismo vivo.

As enzimas conseguem acelerar uma reação química porque elas diminuem a energia de ativação de uma reação. Isto significa, que as enzimas reduzem a “energia inicial” que todas as moléculas necessitam para começar a reagir. O calor é um bom exemplo de energia de ativação, mas em alguns casos, a quantidade de calor necessária para desencadear uma reação dentro da célula é tão alta, que acabariam destruindo a célula. E é exatamente aí que as enzimas entram na história, em reações cuja energia de ativação (a energia inicial) era alta demais e, com a enzima, sofreu uma redução.

Como qualquer catalisador, a enzima permanece intacta após a reação que ela acelerou.

Uma reação química se torna muito mais rápida em presença de uma enzima. Essa velocidade pode chegar a 100 trilhões mais rápido do que uma reação sem a enzima.

O modelo teórico para o funcionamento da enzima é o de “chave-fechadura”.

CADASTRE-SE

E receba em primeira-mão todas as novidades dos Vestibulares, Ofertas, Promoções e mais!