RELAÇÕES ECOLÓGICAS

Aprenda sobre Relações Intraespecíficas e Relações Interespecíficas

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

As diferentes maneiras pelas quais os organismos interagem entre si classificam as relações ecológicas. Estas relações podem ser subdividias com base em dois critérios: (i) espécies participantes e (ii) prejuízos oriundos da interação. Quando dois organismos de uma mesma espécie interagem a relação é classificada como intraespecífica, sendo uma relação interespecífica quando a relação envolve dois organismos de espécies diferentes. Paralelamente, se um organismo envolvido na interação é prejudicado pela mesma, esta passa a ser classificada como desarmônica, sendo classificada como uma relação harmônica apenas quando não há malefícios a nenhum dos envolvidos.

RELAÇÕES INTRAESPECÍFICAS

Harmônicas (+/+) ou (+/0)

Didática imbatível de nossos professores!

ProBlack

14 meses de acesso

  • Turma Extensiva 2020/2021
  • 6 Simulados
  • 4 Redações Corrigidas por mês

R$ 599,44

12x de: R$

R$ 19,90

Eu quero

Sociedade: Representantes da mesma espécie cooperam entre si, por meio da divisão de trabalho, sem conexões anatômicas ou fisiológicas entre eles.

Exemplo: abelhas e cupins.

Colônia: Associação anatômica ou fisiológica entre indivíduos que aumenta seu potencial adaptativo

Exemplo: corais e bactérias.

Desarmônicas (-/-) ou (+/-)

Canibalismo: Um indivíduo se alimenta de outro da mesma espécie.

Exemplo: louva-a-deus e tubarões.

Competição intraespecífica: Competição por território, parceiros reprodutivos, alimentos, dentre outros.

Exemplo: leões e pavões.

RELAÇÕES INTERESPECÍFICAS

Harmônicas (+/+) ou (+/0)

Mutualismo: Relação de benefício mútuo entre dois organismos onde há dependência em sua conexão anatômica.

Exemplo: liquens (associação entre fungos e algas).

Protocooperação: Relação não obrigatória de benefício entre dois organismos de espécies diferentes.

Exemplo: Caranguejo-eremita e anêmonas-do-mar.

Inquilinismo: Uma espécie fornece proteção ou moradia à outra, sem se prejudicar.

Exemplo: peixe-agulha e pepino-do-mar.

Epifitismo: Subtipo de inquilinismo existente entre espécies vegetais.

Exemplo: orquídeas e árvores.

Comensalismo: Um organismo se alimenta de restos da alimentação de outro sem prejudicá-la.

Exemplo: hienas e leões.

Foresia: Um organismo utiliza a locomoção do outro sem promover qualquer prejuízo ao mesmo.

Exemplo: cracas e baleias.

Desarmônicas (-/-), (+/-) ou (-/0)

Amensalismo: A homeostase de um organismo implica no prejuízo a outro sem qualquer benefício ao primeiro.

Exemplo: gado bovino pisoteando o capim.

Antibiose: A secreção de compostos por um organismo promove prejuízo ao outro sem qualquer benefício ao primeiro.

Exemplo: cravo-amarelo e fungos.

Predatismo: Consiste na captura, morte e alimentação de suas presas.

Exemplo: Leões e zebras.

Herbivoria: Um organismo consumidor se alimenta de parte de um organismo produtor sem levá-lo à morte.

Exemplo: Lagartas e folhas de árvores.

Parasitismo: Um organismo (parasita) extrai um recurso fisiológico ao se prender ao corpo de outro (hospedeiro).

Holoparasitismo: o recurso explorado provém do metabolismo energético do hospedeiro.

Exemplo: cipó-chumbo e árvores.

Hemiparasitismo: o recurso explorado não envolve moléculas energéticas produzidas pelo hospedeiro, sendo o parasitismo facultativo para algumas espécies.

Exemplo: erva-de-passarinho e árvores.

Competição interespecífica: Disputa por recursos entre dois organismos de espécies diferentes que apresentam sobreposição de nichos ecológicos.

Exemplo: aves granívoras e mamíferos roedores.

Esclavagismo: Um organismo se aproveita do produto obtido a partir da atividade de outra espécie.

Exemplo: formigas e pulgões.

Mimetismo

Este fenômeno ocorre quando uma espécie apresenta traços morfológicos que possibilitem confundi-la com outra.

Mimestismo batesiano: ocorre quando uma espécie perigosa por sua agressividade ou toxicidade, por exemplo, é “imitada” por outra, inofensiva.

Exemplo: cobras-coral falsas e verdadeiras.

Mimetismo mülleriano: ocorre quando duas espécies potencialmente perigosas são beneficiadas por apresentarem o mesmo padrão morfológico.

Exemplo: Borboletas vice-rei e monarca.

CADASTRE-SE

E receba em primeira-mão todas as novidades dos Vestibulares, Ofertas, Promoções e mais!