Linguagem, língua, fala e norma – EXT

Aprenda sobre a Linguagem, Línha, Fala e Norma.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Receita de acordar palavras

Palavras são como estrelas

Facas ou flores

Didática imbatível de nossos professores!

ProBlack

14 meses de acesso

  • Turma Extensiva 2020/2021
  • 6 Simulados
  • 4 Redações Corrigidas por mês

R$ 599,44

12x de: R$

R$ 19,90

Eu quero

Elas têm raízes pétalas espinhos

São lisas leves ou densas

Para acordá-las basta um sopro

Em sua alma

E como pássaros

Vão encontrar seu caminho.

(MURRAY, Roseana. Receitas de olhar, SP: FTD, 1997)

No poema, a autora define subjetivamente o que são palavras. Para tanto, realiza comparações com elementos da natureza (“estrelas”, “flores”) e com instrumentos do cotidiano (“facas”) para, então, atribuir características (“lisas”, “leves”, “densas”). Pode-se dizer que a poetisa utilizou, por meio da língua, a “linguagem da poesia” para expressar um discurso. Segundo Celso Cunha & Lindley Cintra, “a distinção entre linguagem, língua e discurso, [é] indispensável do ponto de vista metodológico”, isto significa que é necessário que se realize a diferença entre esses conceitos para uma melhor compreensão do processo de comunicação humana.

Conforme a definição dos autores, LÍNGUA é um sistema gramatical que pertence a um grupo de indivíduos, cuja utilização expressa a consciência de uma coletividade e, por isso, está em constante evolução. Seria, assim, um conjunto de “leis” criado por uma sociedade por meio do qual é possível estabelecer um convívio, um entendimento entre as pessoas.

O conceito de LINGUAGEM é mais amplo e está relacionado à expressão da língua. Trata-se da representação do pensamento por meio de quaisquer sinais convencionados. Esses sinais organizam-se de duas formas essenciais: verbais — que apresentam como instrumento a palavra — ou não verbais — expressos por gestos, cores, movimentos, sons, imagens. Também podem agir em sinais mistos, confluindo as linguagens verbal e não verbal.

Esses sinais (ou signos) convencionados por uma comunidade para a transmissão das mensagens são chamados de códigos.

Na charge de Cícero, há um pensamento crítico em relação ao aquecimento global, grande preocupação no mundo hoje. Percebem-se elementos verbais e não verbais que contribuem para o entendimento da mensagem. O questionamento do filho sobre a existência de gelo e o próprio título aliados à imagem dos pinguins ilhados revelam a expectativa do emissor sobre o futuro do planeta.

O DISCURSO é a reprodução da língua por meio de uma linguagem executada por um indivíduo dentro de um convívio social. Por ser algo subjetivo, é a expressão de um gosto e de um pensamento. A maneira como será impresso à sociedade dependerá do estilo (“aspecto” da forma de expressão de um discurso) daquele que o cria e o transmite aos demais.

A partir da diferenciação entre língua, linguagem e discurso fica claro que o processo de comunicação implica a troca de conhecimentos e experiências entre os indivíduos envolvidos, ou seja, o ato da fala/escrita está relacionado a um ato social.

Veja o texto a seguir:

A AÇÃO DA COMUNICAÇÃO

Quando um enunciador comunica alguma coisa, tem em vista agir no mundo. Ao exercer seu fazer informativo, produz um sentido com a finalidade de influir sobre os outros. Deseja que o enunciatário creia no que lhe diz, faça alguma coisa, mude o comportamento ou de opinião etc. Ao comunicar, age no sentido de fazer-fazer. Entretanto, mesmo que não pretenda que o destinatário aja, ao fazê-lo saber alguma coisa, realiza uma ação, pois torna o outro detentor de um certo saber.

(Platão, F.S. & Fiorin, J, L. Lições do texto: Leitura e Redação. SP: Ática, 1996.)

Com base no texto do Professor Fiorin, é possível perceber que a intenção de Mafalda, na tira de Quino, não é fazer com que seu leitor mude de opinião ou de comportamento sobre um assunto, mas que reflita sobre o seu discurso, sobre o gesto autoritário do indicador. Não que o pensamento expresso por Mafalda seja uma verdade absoluta, mas é a representação do pensamento de seu criador sobre sua realidade social, naquele momento. O objetivo da comunicação é levar o leitor à reflexão. Pronto. O ato da comunicação foi, então, realizado. 

CADASTRE-SE

E receba em primeira-mão todas as novidades dos Vestibulares, Ofertas, Promoções e mais!