ARTIGO DE OPINIÃO

Este é um gênero textual muito semelhante ao dissertativo-argumentativo, por conter também a defesa de um ponto de vista. Sua estrutura é igualmente dividida em introdução, desenvolvimento e conclusão.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Apesar da semelhança de estrutura e de finalidade, há diferenças significativas entre o artigo de opinião e o texto argumentativo. Uma delas está na possibilidade do uso da primeira pessoa do singular e da interlocução como forma de criar proximidade entre o escritor e o leitor, o que facilita o processo de persuasão. O nível de linguagem também sofre interferência do objetivo central desse gênero, pois se torna mais descontraído e, portanto, menos formal. Com a finalidade de tornar o texto mais flexível para leitura, o autor faz uso de perguntas retóricas, gírias, humor, interjeições, exclamações e metáforas.

O artigo de opinião é geralmente motivado por alguma notícia, acontecimento contemporâneo. O autor se baseia no que viu ou no que leu para produzir seu texto opinativo, com teor subjetivo.

Até aqui você já sabe que tem de apresentar o seu posicionamento a respeito de um fato, suas ideias, suas propostas em um texto dissertativo, mas diferente de uma dissertação-argumentativa em alguns aspectos. Mas você ainda precisa aprender o que significa elaborar um artigo de opinião para uma banca examinadora de concurso.

Medicina 2020 Enem Plus

Assine agora por 12x de R$27,90 e garanta uma plataforma com preparação completa.

São aulas ao vivo, videoaulas gravadas, simulados, exercícios com resolução em vídeo, projetos especiais e mais. 😬

O artigo de opinião, como vimos, tem como finalidade expor uma ideia, apresentar ao leitor o modo como o autor (no caso, você) pensa sobre um determinado tema. E é justamente o dizer bem dito que faz do dissertar uma tarefa que deve ser planejada, o que pressupõe que você deve aprender técnicas e procedimentos de como apropriar-se de um discurso claro, coeso e objetivo, imprimindo sua marca pessoal, seu estilo. É importante você saber que não há necessidade de você eliminar seu estilo, mas acomodar esse estilo em um texto cujo modelo é imposto pelas bancas de concurso.

Esse artigo que você vai elaborar na prova de redação não tem nenhum outro compromisso, senão o de convencer, de vencer o interlocutor, impossibilitando-o de replicar, refutar. Sendo isso, a finalidade do artigo de opinião não é expor a verdade dos fatos, nem mostrar o seu repertório sociocultural, mas o seu poder de persuasão.

Não raro, o candidato tende a se distanciar da tarefa de comunicar o que for possível ao leitor sobre o tema proposto. Muitos ficam mais preocupados em escrever bem e impor-se por meio da palavra. O resultado disso é um artigo pouco inteligível, restando apenas ao leitor, no caso o examinador, constatar que há domínio da norma e bom repertório lexical, em vez de interagir com o texto, concordar ou discordar, refletindo sobre novos aspectos do assunto abordado. Para compartilhar uma opinião a respeito de um fato, você necessita de uma estratégia eficiente, de uma organização lógica e do levantamento de argumentos a partir da ação, que seria o conhecimento empírico, experimentado por você.

A organização do seu discurso depende muito do interlocutor a quem você dirige o texto, com um determinado objetivo. Sendo isso, logo no primeiro parágrafo, o de introdução, é imprescindível que você ganhe logo a atenção do leitor, o que se pode conseguir de maneira bem simples: ressalte a pertinência do que vai defender, sua importância para o tema, no que sua opinião se afina com as preocupações do momento e sua pertinência para a sociedade.

Para isso, a escolha do encadeamento do primeiro parágrafo com os demais é fundamental. Um equívoco muito comum é quando o candidato-autor compõe o primeiro parágrafo com uma observação particular sobre o tema e, em seguida, em dois ou três parágrafos, aponta aspectos mais genéricos para depois, no último parágrafo, voltar a abordar o particular. É assim que seu texto acaba por adotar um discurso redundante, repetitivo. Nunca, na conclusão, volte à introdução, porque assim você não termina o seu texto. Como fazer, então? Vejamos uma técnica importante a seguir.

Pense numa pirâmide invertida: temos a base na parte superior e o vértice na inferior. O primeiro parágrafo seria a parte superior da pirâmide, em que você aborda as questões mais abrangentes, mais amplas; nele pode contar, por exemplo, o fato que motivou o artigo, fazendo uma pergunta retórica, por exemplo. Nos parágrafos de desenvolvimento, inicia-se o afunilamento da pirâmide; para tanto, é necessário que você escolha um aspecto anteriormente abordado para aprofundá-lo. Pode ser, por exemplo, a definição de termos anteriormente citados ou um aprofundamento histórico do assunto, resgatando práticas consagradas e tradicionais e já anunciando uma possível mudança de paradigma. Assim, você vai se aproximando do vértice da pirâmide invertida, explicitando novas possibilidades de abordar o tema, a pertinência da discussão para a sociedade e elaborar alguns questionamentos e formular algumas hipóteses.

Chegando ao ápice da pirâmide invertida, temos o parágrafo de conclusão; um parágrafo que relata o objetivo dessa discussão. Vamos supor que o tema do artigo seja a eficácia de uma nova tecnologia para pessoas com problemas de locomoção, como os cadeirantes. Nesse caso, o mais instigante para o leitor seria encontrar, em seu texto, o seguinte caminho: introduzir o assunto com uma proposição mais genérica, como a importância da locomoção para a mobilidade urbana, de cadeirantes que residem em grandes cidades; depois, relatar informações sobre os avanços tecnológicos nessa área de pesquisa, no caso, poderia ser a pertinência de determinado processo de reabilitação dos portadores de necessidades especiais de locomoção. O leitor pode, assim, fluir na sua leitura e ir tirando conclusões a partir das primeiras informações que você vai oferecendo a ele. Mas não escreva logo tudo de uma vez, vá criando expectativas no leitor, a ponto de aguçar a sua curiosidade para que ele se sinta motivado a continuar lendo seu texto. Na conclusão, você pode determinar o objetivo principal em se investir nessas tecnologias e os ganhos para a sociedade.

É importante lembrar que a maneira de apresentar os fatos já é, em si, uma boa forma de argumentar e que a ordem de apresentação dos fatos pode alterar o sentido geral do texto.

Agora que você já tem uma boa ideia sobre como elaborar um artigo de opinião e já leu um exemplo, veja como as universidades costumam cobrar esse gênero em suas provas de redação. A seguir, apresentamos os temas da Universidade de Brasília e da Universidade Estadual do Norte do Paraná.

Tema de redação da universidade de Brasília 2017

Enem 2020 Plus

Assine agora por 12x de R$22,90 e garanta uma plataforma com preparação completa.

São aulas ao vivo, videoaulas gravadas, simulados, exercícios com resolução em vídeo, projetos especiais e mais. 😬

A utopia é, no seu sentido mais imediato, a representação imagética de um estado humano nunca até agora ocorrido. É sobretudo como a representação de um estado futuro da humanidade que ela adquire relevância no discurso político. Na utopia política, é representado um estado de felicidade até então inalcançado. E tal representação tem a missão muito específica de dotar a ação política de um entusiasmo mobilizador.

Alexandre Franco de Sá. Haverá ainda lugar para a utopia política? 2000. Internet: (com adaptações).

Bons tempos é o nome que damos ao passado — qualquer passado. São os bons tempos, é o nosso tempo. Passei a adolescência e parte da juventude sob a ditadura militar, e isso não impede que me pegue com frequência a acalentar uma estranha utopia em retrospecto, de que “no meu tempo” a vida tinha mais graça. De todas as formas de escapismo inventadas pelos homens para suportar o osso duro da vida real, talvez a mais inconsciente seja a idealização do passado. Mas não é de hoje que tudo fica cada vez pior aos olhos das gerações presentes. “Esse mundo tá perdido, sinhá!” — era o bordão da ex-escrava tia Nastácia nos livros infantis de Monteiro Lobato.

Maria Rita Kehl. O passado é um lugar seguro. Teoria e Debate, n.o 70, mar.-abr./2007 (com adaptações). 

Se eu pudesse, riscava a palavra utopia dos dicionários. Como toda a gente sabe, a utopia é alguma coisa que não se sabe onde está. Coloquemos aquilo que é utopia, aquilo que é conceito, não em lugar nenhum (…) coloquemos no amanhã e no aqui, porque o amanhã é a única utopia assegurada, porque ainda estaremos vivos (…) e, portanto, do trabalho de hoje nos beneficiaremos amanhã.

José Saramago, entrevista para o programa O mundo do fórum, 2005. Internet: (com adaptações).

Mãos dadas

Não serei o poeta de um mundo caduco.

Também não cantarei o mundo futuro.

Estou preso à vida e olho meus companheiros.

Estão taciturnos mas nutrem grandes esperanças.

Entre eles, considero a enorme realidade.

O presente é tão grande, não nos afastemos.

Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas.

Não serei o cantor de uma mulher, de uma história,

não direi os suspiros ao anoitecer, a paisagem vista da janela,

não distribuirei entorpecentes ou cartas de suicida

não fugirei para as ilhas nem serei raptado por serafins

O tempo é a minha matéria, o tempo presente, os homens

[presentes, a vida presente.

Carlos Drummond de Andrade et al. O melhor da poesia brasileira. Rio de Janeiro: José Olympio, 2004.

A vida é desafio (Racionais Mc’s )

(…)O pensamento é a força criadora. O amanhã é ilusório. Porque ainda não existe. O hoje é real. É a realidade que você pode interferir. As oportunidades de mudança. Tá no presente. Não espere o futuro mudar sua vida. Porque o futuro será a consequência do presente Parasita hoje. Um coitado amanhã. Corrida hoje. Vitória amanhã. Nunca esqueça disso, irmão.

Internet: .

Considerando que os fragmentos apresentados têm caráter motivador, redija um texto a ser publicado na coluna Opinião, na edição de domingo de um jornal de grande circulação. Seu texto deve começar com a seguinte frase.

Entre o futuro imaginário e o passado idealizado, o presente…

Proposta de redação da Universidade Estadual do Norte do Paraná – 2017

ORIENTAÇÕES

Os(As) candidatos(as) que não obedecerem à proposta da produção quanto ao gênero textual, tema e nú- mero de linhas (mínimo de 20 e máximo de 30 linhas) serão penalizados na correção do texto.

Dê um Título à sua redação. A ausência do título implica na perda de pontos, mas não na anulação da redação.

Apresente a redação de forma legível e sem rasuras na FOLHA DE REDAÇÃO DEFINITIVA, utilizando caneta esferográfica com tinta azul ou preta.

Para o rascunho, use a folha disponível no final deste caderno.

Será considerada para avaliação apenas a FOLHA DE REDAÇÃO DEFINITIVA.

Use a norma culta da linguagem.

Produza um artigo de opinião, assumindo o papel social de um leitor de jornal que intenciona publicar seu ponto de vista em relação à questão: Cidadãos oriundos de países com violência constante ou em situação de grande pobreza têm sido obrigados a procurar refúgio em locais distantes de seu hábitat. Tendo em vista o grande número de imigrantes recebidos pelo Brasil, o que fazer para proporcionar a integração desses refugiados e evitar as manifestações de xenofobia e intolerância contra essas pessoas?

Não se esqueça de que o artigo de opinião é um texto argumentativo, por isso, além de se posicionar frente à questão exposta, é preciso selecionar bons argumentos para a defesa da sua tese.

Os textos, o infograma e a charge a seguir discorrem sobre a questão apresentada. Mas lembre-se de que eles podem ser usados apenas como suportes para a sua argumentação e nunca copiados deliberadamente. Você será avaliado pelo grau de autoria do texto!

TEXTO 1

ONU: número de refugiados é o mais alto da história

A agência para refugiados da Organização das Nações Unidas (ONU) informa que o número de pessoas deslocadas por conflitos é o mais alto da história, superando até mesmo os dados da II Guerra Mundial, quando dezenas de países dos cinco continentes se envolveram no mais devastador embate bélico da humanidade. O total de refugiados no final de 2015 atingiu 65,3 milhões, ou uma em cada 113 pessoas do planeta Terra, de acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR). O número representa um aumento de 5,8 milhões em relação ao ano anterior. O relatório oferece três razões principais para o aumento da taxa de deslocamentos forçados: situações de longo prazo, tais como o conflito no Afeganistão; situações novas e crescentes, tais como os conflitos na Síria e Sudão do Sul; e o ritmo lento para implantar soluções para os refugiados e deslocados internos.

TEXTO 2

Vilarejo na Suíça prefere pagar multa de 1 milhão de reais a receber 10 refugiados

Um dos vilarejos mais ricos da Europa decidiu pagar uma multa de 290 mil francos suíços, mais de 1 milhão de reais, para não receber cerca de dez refugiados, de acordo com a nova cota imposta pelo governo da Suíça. Segundo o jornal Independent, a maioria dos residentes de Oberwil-Lieli votou “não” em um referendo para aceitar os imigrantes porque eles “não iriam se encaixar”. Recentemente, o Go- verno Federal anunciou que iria cumprir com a promessa de aceitar 50 mil pedidos de asilo no país. Por rejeitar os planos, o vilarejo causou revolta na Suíça, com cidadãos acusando os moradores do local de racismo. A população da cidade conta com 300 milionários entre os seus 22 mil habitantes. Um dos residentes disse ao jornal britânico Daily Mail que “apenas não os queremos aqui, é simples assim”. “Nós trabalhamos duro durante todas as nossas vidas e temos um adorável vilarejo que não queremos que seja prejudicado”, disse o morador que pediu para não ser identificado.

CADASTRE-SE

E receba em primeira-mão todas as novidades dos Vestibulares, Ofertas, Promoções e mais!