O LEGADO DO ENCOLHIMENTO DO NÍVEL SUPERIOR NO BRASIL

A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo na modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema “O legado do encolhimento do nível superior no Brasil”, apresentando proposta de intervenção, que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

TEXTO 1

Queda de investimentos do governo federal encolhe ensino superior no Brasil

Após passar por um período de expansão do número de vagas e de investimentos no ensino superior e na pesquisa científica e tecnológica, o Brasil enfrenta um período de estagnação e encolhimento na educação.

Medicina 2020 Enem Plus

Assine agora por 12x de R$27,90 e garanta uma plataforma com preparação completa.

São aulas ao vivo, videoaulas gravadas, simulados, exercícios com resolução em vídeo, projetos especiais e mais. 😬

No ensino superior, as matrículas, que pularam de 5,1 milhões, em 2009, para cerca de 8 milhões, em 2015, seguem sem avanço. O Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), que chegou a ter 663,3 mil contratos em 2014, registrou 203,5 mil em 2016.

Na área de ciência e tecnologia, na última semana, o governo federal cortou 44% do orçamento de 2017. O montante equivale a R$ 2,2 bilhões, o que faz com que o recurso disponível corresponda a 1/4 do de 2013.

“A cobertura de ensino superior, que abrange em torno de 18% dos jovens de 20 a 24 anos, já é muito baixa em relação ao resto do mundo, onde a taxa varia de 40% a 60%. Havia o desafio de expandir muito mais, como previsto no Plano Nacional de Educação (projeção de 33% da cobertura para 2024). Com o corte de recursos, a situação se torna mais grave”, afirma o professor Lúcio Mendes Faria, do Projeto “Pensar a Educação, Pensar o Brasil”, da UFMG.

Impactos

No setor de pesquisa, os cortes têm impacto direto em trabalhos que podem resolver problemas na vida das pessoas.

Marianna Kunrath, doutoranda em bioquímica pela UFMG, aponta falta de reagentes químicos no laboratório, bolsa estagnada em R$ 2.200 desde 2013, e até a ausência de recursos para a publicação dos resultados da pesquisa em revistas especializadas.

Experiência

Desenvolvendo um estudo sobre células-tronco e células tumorais, Marianna não conseguirá passar um período da pesquisa em uma universidade fora do Brasil – o chamado “doutorado sanduíche”.

Muitos programas de pós-graduação do país estão dividindo as bolsas de 12 meses de sanduíche, que seriam para um aluno, por três, para não suspender a ida de pesquisadores.

Enem 2020 Plus

Assine agora por 12x de R$22,90 e garanta uma plataforma com preparação completa.

São aulas ao vivo, videoaulas gravadas, simulados, exercícios com resolução em vídeo, projetos especiais e mais. 😬

Também no campo da saúde, Adriana Bozzi iniciou um trabalho sobre a doença de chagas em 2015 como pesquisadora visitante na Universidade Stanford, nos EUA, mas não teve o financiamento renovado pelo governo.

“Fui para lá aprender uma nova tecnologia. Só pude continuar porque os pesquisadores da universidade bancaram a finalização do projeto”.

Falta de verbas para ciência é prejudicial à economia do país

Outra polêmica envolvendo o ensino superior e a área de pesquisa foi a alteração do controverso programa “Ciência Sem Fronteiras”, anunciado no começo da semana pelo Ministério da Educação (MEC).

Criado com o objetivo de enviar estudantes de graduação para o exterior, com a meta de 100 mil alunos, a iniciativa foi transformada em 5 mil bolsas para pós-graduação (mestrado, doutorado e pós-doutorado), afirma o MEC.

Tragédia

Para Helena Nader, presidente da Sociedade Brasileira do Progresso da Ciência, os cortes são uma “tragédia anunciada”, e têm relação direta com a aprovada PEC do Teto dos Gastos e à fusão do Ministério da Ciência e Tecnologia com o das Comunicações, ambas em 2016.

“De tudo que o governo gasta, só 0,34% vai para Ciência e Inovação. As pessoas não têm ideia do que pode acontecer! A ciência é hoje a responsável por o país não ter quebrado financeiramente. Foi a ciência brasileira que descobriu o Pré-Sal, que aumentou a produtividade da carne e da soja, que vinham contribuindo para manter a economia dos trilhos”, argumenta.

MEC responsabiliza gestão anterior por problemas

Sobre as metas de jovens no ensino superior, previstas no Plano Nacional de Educação (PNE), o MEC afirma que a atual gestão “recebeu o ministério com o descumprimento de todas as metas para 2016 e praticamente todas as estratégias contidas no plano mal encaminhadas. Para as metas de 2024, ainda é cedo para falar em descumprimento, mas o MEC trabalha na melhoria da gestão dos programas para alcançar melhores resultados”.

O Ministério da Ciência e Tecnologia e Comunicações afirma que não procede a informação de que a fusão feita em 2016 reduziu a capacidade de investimento da pasta, “o que se comprova inclusive pelo aumento de recursos previstos para o novo ministério, quando em comparação com o ano anterior à fusão – R$ 4,8 bilhões em 2016 e R$ 6 bilhões em 2017”.

Conforme o Ministério, “ainda está em análise o impacto do contingenciamento determinado pelo Ministério do Planejamento para este ano”.

TEXTO II

TEXTO III

Apenas 15% dos brasileiros têm ensino superior completo, mostra IBGE

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) 2016 apresenta retrato da Educação no Brasil

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) 2016, divulgada nesta quinta-feira (21/12), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostra que apenas 15,3% dos brasileiro têm ensino superior completo.

Os dados, que analisam diversos indicadores da educação no País, revelam que 11,2% da população de 25 anos ou mais não tinham qualquer instrução, mas não chegam a ser analfabetos. As taxas são mais altas nas regiões Norte e Nordeste, com 14,5% e 19,9%, respectivamente.

Por outro lado, as maiores proporções de nível superior completo foram estimadas para o Centro-Oeste (17,4%), onde está Goiás, e Sudeste (18,6%).

A taxa de analfabetismo no país foi de 7,2% em 2016 (o que correspondia a 11,8 milhões de analfabetos), variando de 14,8% no Nordeste a 3,6% no Sul. Para pessoas pretas ou pardas, essa taxa (9,9%) era mais que duas vezes a das brancas (4,2%).

Ainda sobre a relação entre cor e ensino, apenas 8,8% de pretos ou pardos tinham nível superior, enquanto para os brancos esse percentual era de 22,2%.

Ensino público

Ainda de acordo com o IBGE, do total dos estudantes, 73,5% frequentavam escola pública e 26,5% escola privada. Em todas as grandes Regiões a rede de ensino público era superior à privada, com destaque para o Norte, onde 82,5% dos estudantes estavam na rede pública. Já o Sudeste apresentou a maior proporção de estudantes escolas privadas: 30,1%.

Enquanto que, para os cursos até o ensino médio, a rede pública corresponde a mais de 70% dos estudantes; no ensino superior de graduação esse percentual se reduz a 25,7%, e na especialização, mestrado e doutorado, 32,9%. 

CADASTRE-SE

E receba em primeira-mão todas as novidades dos Vestibulares, Ofertas, Promoções e mais!